População demonstra estar cansada de impostos, mas defende taxação maior para alguns setores. Confira como seria a Reforma Tributária da população.

 

Discutida há décadas no Brasil, a Reforma Tributária parece estar prestes a entrar em pauta no Senado Federal. As articulações envolvem políticos, setores econômicos e o Executivo. Porém, o que pensa a população em geral sobre o sistema fiscal brasileiro?

A rede social Quinto traz um panorama inédito da opinião do brasileiro sobre os impostos. Muito além de opinarem sobre atividades que deveriam ser isentas, e as que devem ser sobretaxadas, os usuários do app trazem também uma perspectiva categórica: 98% acreditam que o dinheiro dos impostos não é bem utilizado. Confira esse levantamento a seguir.

Menos imposto?

Os brasileiros indicam estarem cansados dos impostos, se opondo à maioria das taxas (não todas, mas falamos disso daqui a pouco). O país possui diversos tributos com origens e destinos distintos, totalizando 63 cobranças entre impostos, taxas e contribuições. E a criação de novos tributos definitivamente não agrada. Quando perguntados, ” Você concorda com a recriação de um imposto sobre transações financeiras?”, 80% responderam que não. Dessa forma, a proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes, de criar uma cobrança sobre o comércio eletrônico é extremamente impopular.

O chamado “imposto do pecado”, que chegou a ser estudado pelo Governo Federal, mas descartado, também é refutado pela população. Embora divida um pouco mais as opiniões. Esse tributo incidiria taxas mais altas para atividades prejudiciais à saúde, como bebidas alcoólicas, alimentos ricos em açúcar e cigarros. Contudo, 57% não acham que produtos com excesso de açúcar deveriam ter imposto mais alto. Assim como 54% não são a favor do aumento de impostos de bebidas alcoólicas para diminuir o consumo. Por outro lado, 63% são contra a redução da tributação do cigarro – que é um item que já sofre com cobrança acrescida devido aos seus malefícios.

 

Imagem mostra cubos de açúcar em cima de moedas empilhadas

Pouco mais da metade dos usuários é contra a taxação de produtos ricos em açúcar, conhecida como “imposto do pecado”.

Já os itens “benéficos” deveriam ser isentos ou ter as tributações reduzidas, de acordo com os brasileiros. Por exemplo, 75% acham que a produção de alimentos orgânicos deveria ser isenta de impostos no Brasil e 82% concordam com a redução de impostos sobre games. O preço do combustível é um assunto que pesa no orçamento e mobiliza os brasileiros. Desta forma, 91% não concordam com o tributo cobrado em cima dos combustíveis e 74% defendem o corte de impostos para baixar o preço do item.

Mais imposto?

Apesar de um posicionamento, em geral, contrário aos impostos, os brasileiros defendem a taxação de algumas atividades. Por exemplo, 76% são a favor de impostos mais altos para atividades mais poluentes e 64% são contra a isenção de impostos para a importação de armas de fogo. Outro setor que também não merece a isenção, para 89% de nossos usuários, é o dos partidos políticos.

Cobrar mais de quem tem mais

Um dos pontos mais polêmicos quando o assunto é o sistema tributário, é como formulá-lo para que seja justo. Ou seja, para que os impostos não recaiam desproporcionalmente sobre quem ganha menos. Nesse sentido, os usuários do Quinto tem algumas opiniões divergentes. Enquanto 62% são favoráveis à taxação de grandes fortunas, também 62% são contra a cobrança de taxas para altas heranças.

Praticamente unânime, no entanto, é a percepção de que a taxação precisa mudar. Isso porque 91% dos usuários do Quinto acreditam que não é justa a taxa do Imposto de Renda.

É hora da Reforma Tributária?

Com o aquecimento das discussões sobre as mudanças fiscais, lançamos em nossa rede social a pergunta “Você é a favor de uma reforma tributária no Brasil?”. Por enquanto, 91% se declaram favoráveis. Quer opinar também? É só baixar o app do Quinto, se cadastrar e começar a fazer parte da construção da #opiniaocoletiva.

 

Leia mais Entretenimento na pandemia: como os brasileiros estão se divertindo no distanciamento social

Vote no Quinto

Pessoas em mesa mexem em calculadora e papéis