Tema complexo merece atenção de toda a sociedade, já que saúde mental é muito mais do que a ausência de problemas

Como você está? Essa é uma das perguntas mais comuns do nosso cotidiano e, ao mesmo tempo, das mais complexas. O bem-estar é um conceito multifacetado que inclui aspectos sociais, físicos e mentais.

O foco na saúde mental aumentou consideravelmente nas últimas décadas, representando um avanço importante na forma como as pessoas com transtornos mentais são acolhidas, mas também fomentando um mercado de “bem-estar” que inclui terapias, alimentos naturais e todo tipo de itens de “self care” (ou autocuidado, em português). Embora o assunto nem sempre seja comentado nas rodas de amigos, no trabalho ou entre familiares, problemas emocionais são muitos mais comuns do que se imagina. Entre os usuários do Quinto, 51% afirmam que têm ou já tiveram depressão.

E a saúde mental vai muito além da depressão. De acordo com a definição da Organização Mundial da Saúde (OMS), “a saúde mental é mais do que a ausência de transtornos mentais ou deficiências. Trata-se de um estado de bem-estar no qual um indivíduo realiza suas próprias habilidades, pode lidar com as tensões normais da vida, pode trabalhar de forma produtiva e é capaz de fazer contribuições à sua comunidade”. Para explorar esse assunto importante e complexo, o Quinto tem um série de perguntas que revelam o que a sociedade brasileira pensa sobre o assunto.

Tratar a mente

A OMS destaca como pilar da restauração da saúde mental o seu tratamento adequado.  Ao passo que, no caso da depressão, aponta a intervenção psicológica e – em situações de moderadas a graves – medicamentos antidepressivos. Entre os usuários do Quinto, 26% já tomaram ou tomam antidepressivo. Apesar de indicar a intervenção medicamentosa, a OMS reforça que essa não deve ser a primeira linha de tratamento nos casos mais leves e que não é a abordagem mais indicada para crianças e adolescentes. A despeito dos preconceitos que circundam os remédios psiquiátricos – alguns chegam a ter seus nomes utilizados como xingamento – especialistas explicam que quando usados de forma correta eles auxiliam significativamente os pacientes.

Por outro lado, quando o assunto é terapia, 40% dos usuários do Quinto dizem que já fizeram ou fazem. E, embora o auxílio psicológico seja importante para aqueles que sofrem de depressão e outros transtornos mentais, a terapia pode ser de grande ajuda para todos. Abordar questões que nos afligem antes do agravamento da saúde mental é uma forma de prevenção e proteção emocional.

Tratamentos alternativos X abordagens tradicionais

 

Mulher meditando em frente a computador

Existem várias terapias voltadas ao alívio das aflições mentais e os usuários do Quinto parecem abertos à várias delas. Na linha da abordagem tradicional, 80% afirmam que são favoráveis ao uso de medicamentos para combater o estresse. Já na linha alternativa, 87% acreditam no yoga como prática terapêutica, 89% acreditam que a meditação pode ajudar a aliviar o estresse e 83% acreditam na eficácia da pet terapia nas pessoas.

Saúde mental na pandemia

A pandemia de coronavírus representa um desafio e tanto para a saúde mental das pessoas. Estresses relacionados às mudanças de rotina, medo de contaminação e crise financeira são o suficiente para afetar as pessoas. Com isso, 60% dos nossos usuários dizem que acompanhar as notícias sobre coronavírus está afetando negativamente a sua saúde mental.

Nesse cenário de quarentena, muitos passaram a fazer terapia online. O método de atendimento já era praticado para casos mais leves, mas se tornou a única forma para vários pacientes, incluindo os mais graves. Entre os usuários do Quinto, 45% fazem ou fariam terapia online. Porém, 60% afirmam que não acreditam em sua eficácia.

 

Como manter a saúde mental?

Casal sentado na sala em posição de meditação sorrindo

Não há uma fórmula única que resulte no equilíbrio mental, sendo que o bem-estar é uma busca contínua. Porém, algumas medidas são indicadas por especialistas. A prática de exercícios físicos, manter relações sociais saudáveis (como amigos, familiares, etc) e ter objetivos são alguns dos itens apontados. Buscar ajuda de profissionais da saúde caso sentir necessidade também é essencial. Afinal, admitir que precisa precisa de ajuda é um ato de coragem e não de fraqueza. Se você necessita de auxílio, pode acessar o site do Ministério da Saúde. No portal, e possível conferir a rede de assistência pública em cada cidade. Existem ainda canais remotos como o Centro de Valorização da Vida (CVV), número 188 ou chat.

Você está feliz?

Com tantos motivos para estarmos estressados ou tristes, a felicidade é também um fator complexo e, no final das contas, não é tão rara. Quando interrogados “você é feliz?”, 70% dos usuários do Quinto dizem que sim.

Debater faz bem

No Quinto, acreditamos no poder da construção da opinião coletiva para a transformação social. Afinal, como afirma a OMS, “um ambiente que respeite e proteja os direitos básicos civis, políticos, socioeconômicos e culturais é fundamental para a promoção da saúde mental”. Se você ainda não tem o app, faça o download e participe de nossos debates.

Leia mais – Quem tem medo das DSTs? Na era da informação, há quem ainda resista ao uso da camisinha

Vote no Quinto

rosto feminino em montagem contra céu com nuvens