Usuários do Quinto mostram apreço pelas viagens, confirmam preocupação com reflexos da pandemia e garantem que idioma não é problema na hora de escolher o destino

Viajar muito é uma das metas de vida de quase todo mundo. Desde partir para o campo ou para o litoral num final de semana ou embarcar num voo para outro estado ou até mesmo para um país distante nas férias. Afinal, para quem realmente é apaixonado por se jogar no mundo e curtir novos ambientes, oportunidade é o que não falta. Mas ainda que o planejamento e a criatividade sejam poderosas armas para superar obstáculos – como a falta de tempo e/ou dinheiro -, nem tudo são flores na hora de fazer as malas.

Em 2020, os viajantes se viram diante de uma nova realidade. A pandemia de coronavírus alterou toda a nossa dinâmica de vida e não seria diferente com relação às viagens. Quem fez planos e programou tudo para embarcar em uma nova experiência, especialmente no primeiro semestre do ano, teve de refazer todo o planejamento. Há quem consiga adiar, outros não. Mas a verdade é que, na maioria dos casos, ficou impossível fazer qualquer projeção diante do cenário de incertezas.

Mas se você, assim como muita gente, planejou viajar muito em 2020, mas teve os planos frustrados pela pandemia, não se preocupe. Aliás, no Quinto, essa é a realidade de quase 30% dos usuários, que disseram ter tido viagens canceladas por conta do atual contexto mundial. O blog Somos Quinto dessa semana reúne opiniões do público do aplicativo no universo das viagens, não apenas sobre as frustrações causadas pela pandemia, mas com o olhar voltado também para as preferências e até mesmo perspectivas para o futuro. Confira!

Como será o depois?

Por mais que possa doer, não tem jeito. Se você havia agendado alguma viagem para o início de 2020, provavelmente deve ter tido que remarcá-la ou cancelá-la. A pandemia de coronavírus fechou fronteiras em cidades e países, restringiu voos e provocou um impacto de quase R$ 4 bilhões no turismo no Brasil. Mas também é bem verdade que tudo isso há de passar.

E quando essa hora chegar, como vai ser? Pé na estrada em busca do tempo perdido ou vai ser preciso redobrar e até mesmo adotar novos hábitos, cuidados e restrições antes de pensar no assunto? O assunto mobiliza os usuários do Quinto e, na prática, 55% deles disseram que não conseguiriam viajar sem medo algum mesmo após o fim da pandemia.

#partiuexterior

passaporte brasileiro

Viajar para um outro país requer uma maior preparação para atender aos requisitos exigidos pelo destino escolhido

Quase todo mundo tem um destino como sendo o dos seus sonhos na hora de escolher uma viagem. E com tantos lugares históricos, cenários paradisíacos, eventos e outras atrações, o local mais almejado por cada pessoa vai depender única e exclusivamente do gosto pessoal, é claro. Há quem sonhe em passar uma semana na tranquilidade de Jericoacoara, no Ceará, ou quem deseje conhecer toda a agitação da noite de Las Vegas. Enfim, as possibilidades são quase infinitas.

Mas uma coisa é fato: a valorização de uma viagem passa muito pela sua localização. Não é segredo para ninguém que os destinos gringos costumam ser mais badalados e glamurizados. E não à toa, no Quinto, nada menos que 91% dos usuários consideram que as viagens internacionais são, sim, mais desejadas que as nacionais.

De olho no câmbio

Mas viajar para fora do Brasil requer algumas preparações a mais, que vão além de comprar a passagem e fazer as malas. Dependendo do destino, é preciso estar com passaporte e visto em dia, carteira de vacinação atualizada para ter permissão para ingressar no país. E mesmo para os mais organizados financeiramente, pode ser fundamental estar atualizado sobre o cenário econômico do destino e fazer uma série de cotações para não ter surpresas desagradáveis na hora de colocar a mão no bolso durante a viagem.

Com a variação constante do câmbio – e a alternância acentuada pela pandemia -, não é de se surpreender que 76% dos usuários do Quinto digam que consideram o contexto econômico do destino antes de viajar. A medida pode ser importante para evitar grandes desfalques na conta bancária. Ir para os Estados Unidos atualmente, por exemplo, é algo que requer uma boa disponibilidade financeira já que o dólar, mesmo com registros de queda em meio à pandemia, tem operado acima da casa dos R$ 5,50.

¿Bonjour, hablas english?

Se comunicar em um território completamente alheio ao habitual, onde as pessoas têm outros hábitos e, principalmente, outra língua, pode ser um desafio. E quanto maior a diferença entre os idiomas, maior pode ser a dificuldade de compreensão e fala. É bem verdade que na maior parte do mundo é possível se virar conhecendo pelo menos o básico de um idioma universal como o inglês, por exemplo. Quem está acostumado a viajar muito, mesmo sem o domínio da língua, também já está mais habituado a alguns atalhos na comunicação, mas principalmente os marinheiros de primeira viagem (literalmente!) podem encontrar dificuldades em entender ou se expressar para os gringos.

Problemas com a língua, no entanto, não são o suficiente para fazer com que o público do Quinto abra mão de um sonho. Isso porque apenas 17% dos usuários da plataforma alegaram que deixariam de viajar por não conhecer o idioma local. O resultado, aliás, só prova que na hora de fazer as malas e viajar, o desejo de conhecer novos lugares tende a falar mais alto do que as possíveis dificuldades.

Escolhendo a companhia

amigos acostumados a viajar muito

Viajar na companhia de amigos fortalece o compartilhamento de experiências

Ao fim da quarentena, pode ser que o fato de ter passado tanto tempo em casa, ao lado da família, tenha estreitado as relações. Ou também, pode ter feito com que os ânimos tenham se acirrado e tudo o que vai se querer (pelo menos por algum tempo) é distância. A grande questão é: quem você vai levar contigo na primeira viagem que tiver a oportunidade de fazer após esse período?

Há quem prefira viajar e desbravar novos lugares sozinho. Para os casais, é quase certo que a primeira escolha é o (a) parceiro (a). Mas na hora de escolher entre os parentes ou amigos, quem levou vantagem, pelo menos entre o público do Quinto, foram as amizades. A opinião de que viajar com os amigos é melhor do que com a família recebeu resposta SIM de nada menos que 82% dos usuários, deixando clara qual a preferência na hora de fazer as malas e cair na estrada.

Participe!

O Quinto traz essas e muitas outras perguntas quanto o tema em questão é viagens. O aplicativo possui uma categoria voltada ao assunto com centenas de questões nas quais você pode votar e endossar a sua opinião no debate, comparando-a com o ponto de vista de outras pessoas e, dessa forma, ajudando a fortalecer a discussão sadia de ideias. Não deixe de participar!

Leia mais: O que vem depois? Quinto mostra opiniões, medos e expectativas na crise do coronavírus

Vote no Quinto

mulher fazendo as malas