Quinto mostra em números a paixão do público de 12 a 24 anos pelos bichinhos, preferências e hábitos como o de conversar com o amigo de quatro patas

É cada vez mais comum que o conceito da palavra “família” ganhe novas configurações. Independe de sangue, podendo ser, além de pai e mãe, seus amigos e até colegas de trabalho. E independe também de espécie. Afinal, qual apaixonado por animais de estimação vai negar que o pet faz parte da sua família?

Os lares brasileiros contam, atualmente, com mais cachorros do que crianças, segundo pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O melhor amigo do homem está presente em quase metade dos domicílios do país e em muitos casos, não está sozinho. Isso porque a população de gatos é outra que cresce em ritmo acelerado no país e pode até mesmo ultrapassar a de cães em alguns anos, segundo projeções.

Em meio à quarentena provocada pela pandemia de coronavírus, muitos pet lovers encontraram mais tempo para passar com quem amam: justamente os animais de estimação. E pensando no assunto, nesta semana, o blog Somos Quinto reúne a opinião de jovens usuários do aplicativo (com idade entre 12 e 24 anos) no que diz respeito aos hábitos na convivência com pets. Confira!

Prefiro, sim senhor!

Seja na força de expressão ou ao pé da letra, fato é que a página “Prefiro bicho do que gente”, no Facebook, reúne quase 3 milhões de curtidas. E a popularidade do termo é reforçada pela opinião dos jovens do Quinto. Ao todo, 66% desse público disse preferir bichos a pessoas na pergunta em questão.

Aqui começa a se desenhar um cenário que mostra que, embora o tema seja de adesão mútua entre os sexos, as mulheres é que demonstram ter um carinho ainda mais especial pelos bichinhos. Enquanto entre o público masculino as respostas SIM foram de 51%, entre as mulheres elas chegam a 82%. A preferência pelos animais de estimação também é mais comum entre o público mais jovem. Para 73% dos usuários de 12 a 17 anos a resposta foi sim, índice que caiu para 60% entre o público de 18 a 24 anos.

É de casa

Criar o animal de estimação da porta para dentro é uma opção para quem mora em casa térrea, mas obrigação para quem vive em apartamento. Mas ainda que não haja escolha em alguns casos, isso parece não incomodar os donos de pets. Entre mais de 1.500 respostas, 92% dos jovens usuários do Quinto disseram que criam ou criariam seus bichinhos de estimação dentro de casa.

A variação de opinião entre as faixas etárias aqui é muito baixa, mas mais uma vez, as mulheres se mostram mais suscetíveis a receber os bichos dentro de casa. Entre o público feminino, as respostas SIM totalizaram 94% enquanto entre os homens elas ficaram em 88% – um índice ainda alto, é verdade.

Hora de dormir

jovem dormindo ao lado de cachorro e gato

Dormir ao lado do animal de estimação está longe de ser considerado prejudicial à saúde pelos usuários do Quinto

Que os pets estão ganhando cada vez mais espaço dentro das nossas casas, isso todo mundo já sabe. Mas existe um canto sagrado para 10 em cada 10 pessoas, que é a própria cama. E, por vezes, pode ser difícil dividi-la com alguém, certo? Não para os jovens do Quinto, ao menos quando esse alguém é o animal de estimação. Isso porque a maioria deles (80%) acredita que a prática não faz mal algum à saúde, deixando, portanto, o caminho livre para curtir o sono ao lado do companheiro de quatro patas.

Mais uma vez, são as mulheres que se mostram mais descrentes de que o hábito envolvendo os animais de estimação possa trazer algum prejuízo. Entre elas, apenas 15% acredita que exista algum risco no sono compartilhado ao lado do pet, enquanto entre os homens o índice de respostas SIM chegou a 29%.

Quem vê raça…

A possibilidade de criar um animal de estimação dentro de casa pode envolver uma série de fatores. Questões como as regras do condomínio (especialmente no caso de apartamentos), espaço físico do imóvel e a personalidade do pet são alguns dos pontos que devem ser levados em conta na hora de analisar essa hipótese. Para os cães, porém, o que não interfere, ao menos na opinião dos jovens que votam no Quinto, é a raça. Apenas 16% deles dizem ter preconceito contra as raças chamadas perigosas. A opinião é praticamente a mesma entre os diferentes sexos e faixas etárias.

Fala que eu te escuto

homem conversando com cachorro

Estudos mostram que cachorros são os animais que melhor compreendem a fala humana e até se esforçam para isso

Não é nada incomum, muito menos loucura. Falar com o animal de estimação, na verdade, é algo estudado até pela ciência, que diz que principalmente os cães entendem e se esforçam para compreender a fala humana. E em tempos de isolamento social, para quem mora sozinho, essa pode ser a melhor forma de desabafar. E a melhor parte: sabendo que estará livre de qualquer sermão ou julgamento. Não à toa, os jovens do Quinto são adeptos de um bate-papo com o pet. Ao todo, 94% deles disseram conversar com o animal de estimação.

Em meio a mais de 1.200 votos, é entre o público feminino que está a maioria esmagadora de falantes com os bichinhos. Nada menos que 98% das mulheres cultivam esse hábito. Entre os homens, o índice é de 85%.

Participe

O tema pet é muito popular no Quinto e o app conta com centenas de perguntas dentro de uma categoria específica voltada ao assunto. Você pode opinar não apenas votando, mas também comentando nos debates e fortalecendo ainda mais a suas ideias e argumentos. Baixe o aplicativo e participe!

Leia mais – Tá em casa? Então use a tecnologia a serviço do entretenimento na quarentena!

Vote no Quinto