Perguntas relacionadas ao mercado de trabalho mostram expectativas e preocupações dos usuários do app com o aspecto profissional nos próximos anos

Um assunto que interessa (e também preocupa) praticamente todo mundo é a carreira profissional. Seja para quem está em busca das primeiras oportunidades, quem está procurando qualificação para crescer ou ainda quem está no mercado de trabalho há anos, o tema está sempre no radar. E uma das preocupações passa pelo futuro da trajetória profissional: projeções, tendências, perspectivas e as necessidades para se manter competitivo.

Nesse sentido, o Quinto mostra que boa parte do seu público está otimista com o futuro da carreira: 79% dos usuários do app responderam que acreditam que seus trabalhos vão existir em 10 anos. Estudos, porém, mostram um cenário diferente e um pouco mais preocupante para o trabalhador. Há a estimativa de que até 800 milhões de empregos desapareçam até o ano de 2030 a nível mundial e que os substitutos para essas vagas sejam robôs.

O futuro, entretanto, não traz apenas apreensão, mas também reserva mudanças de paradigmas no mercado de trabalho. Um deles relacionado à produtividade. Já existem casos de empresas que adotaram uma jornada reduzida de trabalho e viram aumentar não só a satisfação do trabalhador, como os resultados. No Japão, por exemplo, a Microsoft testou um modelo de quatro dias de atividade para três de descanso e observou um aumento de 40% na produtividade. O novo formato também agrada em cheio os usuários do Quinto: 77% do público que votou na pergunta acredita que seria mais produtivo com uma jornada de trabalho menor.

Ser feliz no ambiente profissional

O nível de satisfação profissional é um sinal de alerta quando o assunto é uma boa relação entre ocupação e bem estar. Quase metade dos usuários do Quinto – mais precisamente 49% – disseram considerar que seus respectivos trabalhos os deixam doentes. E é essa também a proporção do público do aplicativo que se diz insatisfeita com a atual profissão: nada menos que 49%.

Entretanto, tomar uma decisão definitiva para solucionar o problema, como virar a página e trocar de profissão, pode não ser uma tarefa muito simples. Abrir mão de uma carreira consolidada dentro de um determinado ramo e recomeçar numa área completamente diferente por vezes se torna uma necessidade, mas isso sempre requer coragem e uma certa dose de ousadia. Atropelar etapas e tomar decisões precipitadas, porém, não é a melhor saída.

Pensando nisso, o blog do Quinto conversou com a vice-presidente executiva da Associação Brasileira dos Profissionais de RH (ABPRH), Tânia Moura, sobre como encontrar a satisfação pessoal dentro da profissão, se manter sempre atualizado e relevante no mercado de trabalho e, se for preciso, porque não, mudar de carreira.

Confira as dicas da especialista:

Mudando o rumo da carreira profissional

mudança de carreira

Identificar gostos e qualidades, além de planejamento, são fundamentais para traçar novos rumos na trajetória profissional

Segundo Tânia Moura, antes de qualquer mudança é preciso trabalhar o autoconhecimento para identificar os próprios talentos e aproveitá-los da melhor forma possível. “Com seu propósito definido, fica mais claro encontrar caminhos e tomar decisões mais assertivas. Planejamento, estudo de mercado, preparação técnica e comportamental e networking são passos importantes”, avalia. Mas para isso, deve-se chegar a quatro respostas:

1 – O que amo fazer?
2 – O que posso fazer bem?
3 – O que posso ser pago para fazer?
4 – O que o mundo precisa?

Satisfação e bem estar

Caso você esteja convicto da carreira que escolheu, mas mesmo assim está insatisfeito, a dica é ponderação. Em uma sociedade em que cada vez mais pessoas se mostram sobrecarregadas e descontentes, além de pressionadas por resultados, é muito comum que a insatisfação extrapole o aspecto profissional e passe a afetar a vida pessoal e o seu bem estar físico e emocional. Tânia explica que nesses casos é importante se observar em todos os sentidos: físico, emocional, espiritual, financeiro, relacional. E, se necessário, buscar ajuda profissional para reverter a situação de forma estruturada e dirigida.

Se atualizar é sobreviver no mercado de trabalho

“Aprender, desaprender e reaprender novamente”, a frase de Alvin Toffler é o conselho da profissional para preparar-se para as mudanças do mercado de trabalho. Segundo ela, pesquisas de tendências indicam que 85% das profissões que existirão em 2030 ainda não foram inventadas. E 65% das crianças que hoje estão no ensino médio trabalharão nessas novas profissões. Por isso, se você não quer ficar de fora do mercado, atualização é questão de sobrevivência.

No Quinto você pode responder à diversas perguntas sobre mercado de trabalho e novas carreiras como por exemplo se, para você, coach ou digital influencer é profissão. Outra pergunta disponível no aplicativo é “Você já mudou / mudaria de profissão?“. Depois de ler as dicas da profissional de RH, pense bem, pondere e baixe o app pra responder!

Leia mais – Consciência ambiental: maioria reconhece que atitudes individuais fazem a diferença

Vote no Quinto

digital influencer