Rede social de votação divulga resultados da consciência ambiental de seus usuários sobre a floresta amazônica

A crise do desmatamento da Amazônia tomou enormes proporções nas últimas semanas, tornando o Brasil o centro mundial das atenções, infelizmente por um mau motivo. Além da enorme onda de desinformação sobre o tema, muitos conseguiram ver com os próprios olhos o cenário apocalíptico do meio ambiente, onde os céus pretos dominaram dezenas de cidades do Estado de São Paulo. Um futuro literalmente negro pode estar à espera dos jovens que herdarão o planeta. O aplicativo Quinto, uma rede social educativa de perguntas e respostas, que já chegou à dois milhões e meio de votos em suas diversas perguntas, oferece um sólido banco de dados a respeito de como a juventude brasileira pensa sobre a Amazônia. Cada pergunta citada aqui tem, no mínimo, 1000 votos.

Os resultados são preocupantes: 64% dos usuários do app acham que a Amazônia definitivamente irá acabar – índice se mostra maior entre as mulheres, chegando a 75%, e atingindo 70% no Nordeste, sendo a região mais temerosa com a situação.

As recentes queimadas e todo o desmatamento na Amazônia levam a cenários pessimistas. Mesmo com cerca de 60% do território sob o domínio brasileiro, dados do aplicativo Quinto mostram uma grande preocupação com a possibilidade de perder a floresta para outros países, com 74% dos usuários acreditando nesse risco. A maior floresta tropical do mundo corta os estados brasileiros do Pará, Amazonas, Roraima, Amapá, Rondônia, Acre e parte do Maranhão, Mato Grosso e Tocantins.

Embora nada de concreto seja debatido quanto ao assunto, teorias conspiratórias nunca deixaram de existir. Algumas delas sugerem o interesse dos Estados Unidos em ocupar o espaço, e são alimentadas pela presença de ONGs internacionais no território da floresta. Porém, com as queimadas, o que se acentua é a preocupação global com a mata, considerada o pulmão do planeta. A preocupação dos usuários do Quinto com a perda do território se faz presente em todas as faixas etárias, mas é maior para os jovens de 12 a 17 anos, onde o índice chega a 82% dos votantes.

Tema diretamente relacionado às queimadas na Amazônia por diversos especialistas, o desmatamento é motivo de preocupação para a maioria dos usuários do Quinto. Se disseram contrários ao desmatamento em prol do desenvolvimento econômico 87%.

O possível fim dos recursos naturais também deixa um sinal de alerta ligado para o público que vota no aplicativo Quinto. São 83% os que acreditam que eles se esgotarão. Em 2019, a sobrecarga do planeta chegou em tempo recorde, segundo a organização internacional Global Footprint Network. A Terra entrou em déficit dos recursos naturais em 1970 e neste ano, pela primeira vez já no fim de julho havíamos consumido o equivalente a produção de água, minérios, animais e plantas, entre outros, de um ano inteiro. Ou seja, hoje, seria necessário 1,75 Planeta Terra para nos abastecer.

Essa é uma preocupação que se mostra mais recorrente entre o público jovem do Quinto: apenas nas faixas etárias abaixo dos 25 anos ela supera 80%. A partir dos 25 anos, essa preocupação sofre uma tendência de queda, ainda que mantenha índices altos, entre 67% e 77%.

As queimadas que assolam a Amazônia têm como origem, principalmente, ações humanas que visam a abrir espaço na floresta. Os objetivos mais comuns são o desmatamento e a limpeza de área para pasto. O G7, grupo dos países mais ricos do planeta, decidiu desbloquear uma ajuda de emergência de pelo menos US$ 20 milhões (cerca de R$ 82,4 milhões) para a Amazônia, principalmente destinados ao envio de aviões Canadair de combate a incêndios. Além desta frota aérea, o G7 concordou com uma assistência de médio prazo para o reflorestamento, a ser apresentado na Assembleia Geral da ONU no final de setembro, para a qual o Brasil terá que concordar em trabalhar com ONGs e populações locais. Recentemente apenas a Alemanha cortou R$ 155 milhões que se destinavam ao Fundo Amazônia.

A floresta amazônica aos olhos do mundo

A Amazônia brasileira perdeu mais de uma Alemanha em área de floresta entre 2000 e 2017. São cerca de 400 mil km² a menos de área verde, de acordo com estudo de uma equipe de pesquisadores da Universidade de Oklahoma publicado na revista científica Nature Sustainability. Quando o governo, ou o INPE, divulga os dados sobre desmatamento na Amazônia, ele normalmente se refere ao território geográfico da Amazônia Legal, uma área que engloba nove estados brasileiros e que ocupa 5,2 milhões de km². São 87% dos usuários do Quinto que não concordam com a exploração da Amazônia.

A pressão da melhora econômica e a demanda por gêneros agropecuários — interna e externa — são constantes, e uma fórmula agroambiental que ajude o cenário econômico do Brasil é o que o governo de Jair Bolsonaro tenta encontrar. A pressão de ambientalistas e da comunidade internacional, contudo, é forte e difícil de ser ignorada. Não se justifica o discurso permissivo ao desmatamento, nem o obscurantismo que nega o consenso científico do aquecimento global. Tudo isso prejudica, e muito, a imagem do Brasil lá fora, e diminui o poder de negociação frente às outras nações. No equilíbrio desses pontos, está a solução desses impasses.

Saiba mais

O Quinto é uma rede social com milhares de usuários e que reúne perguntas em 11 diferentes categorias. Para mais informações acesse oquinto.org.

 

Leia também – Jogar sem ter: os próximos passos do videogame

No Quinto você vota também:

 

Leia mais sobre o Quinto