Dados do Quinto mostram que a galera joga muito, não compra mais
mídia física e que os consoles ainda terão vida longa se depender deles

A indústria dos videogames é a que mais fatura no ramo do entretenimento. Em 2018, os jogos eletrônicos atingiram seu maior patamar na história com uma arrecadação de US$ 134 bilhões ao redor do mundo e US$ 43,4 bilhões apenas nos Estados Unidos. O crescimento foi de 17% em relação a 2017 (o maior aumento dos últimos anos). São 73% dos usuários Quinto que responderam sim na pergunta se jogam videogame. E 56% deles não compram mais mídia física dos jogos, de acordo com a questão feita.

Os motivos para se deixar de comprar mídia física de games, além da praticidade óbvia que os downloads oferecem, envolvem outros aspectos. Além do custo de produção mais baixo frente grandes lançamentos, jogos específicos para celulares e tablets saem mais baratos do que os que são feitos para consoles e PC também para os gamers. Isso não impede que os usuários do Quinto achem que o mobile poderá substituir o console como plataforma para se jogar 60% das respostas da pergunta “Você acha que os games mobile vão substituir os consoles? foram não.

É tanta gente jogando videogame que eles podem até entrar para as Olimpíadas. E 62% dos usuários Quinto que responderam a essa pergunta específica no aplicativo também acham o mesmo. O presidente do departamento de candidatura dos Jogos Olímpicos de 2024 já afirmou que estuda a possibilidade de indicar os jogos eletrônicos às Olimpíadas de Paris 2024. Os e-sports, como são conhecidos, já são considerados por muitos uma modalidade esportiva, já que os jogadores são submetidos a programas intensivos de treinamento, avaliações psicológicas, testes físicos e ainda sofrem todo tipo de pressão. Eles entraram para lista de disputas, por exemplo, dos Jogos Asiáticos de 2018. Seis jogos foram escolhidos, o que representa a estreia dos jogos eletrônicos em disputas esportivas internacionais.

Os videogames podem trazer melhora na coordenação motora, aprendizado de outras linguagens e culturas, prática de atividade física, melhora da atenção, dos reflexos, da memória e até do equilíbrio. Na questão do app Quinto “Você acha que games podem colaborar com a educação das crianças?”, as respostas positivas foram 82%. Apesar de tudo isso, jogar o dia todo não é o recomendado.

Os jogos eletrônicos surgiram na década de 70 — o primeiro videogame foi o Magnavox Odyssey. Através dos anos, os videogames criaram novos marcos na indústria cultural, como o console Atari 2600 e o famoso personagem Mario Bros, da Nintendo. Os consoles da atual geração são o PlayStation 4 Pro, da Sony; o X-Box One X, da Microsoft, e o Nintendo Switch, da Nintendo. É um caminho rentável demais. Videogames geram três vezes mais dinheiro que cinema — ambas as indústrias atingiram seu teto financeiro em 2018: Hollywood alcançou os seus importantes US$ 41,6 bilhões com a ajuda de muitas franquias e a volta de clássicos dos anos 1980; já os videogames alçaram aos US$ 134 bilhões com grandes lançamentos como Red Dead Redemption 2 e God of War.

 

Leia também: Geração de reféns: público do Quinto mostra dependência da tecnologia

No Quinto você vota também:

 

Leia mais sobre o Quinto