55% dos usuários que votaram no Quinto dizem que acreditam em alma gêmea. E se você já achou ou está procurando a sua em um aplicativo ou rede social, vão aqui algumas dicas para este amor durar!


Estamos conectados 24 horas por dia e carregamos o mundo em nossas mãos. A era digital é o marco da globalização, do acesso à informações e pessoas. A facilidade de se conectar com amigos que estão longe, gente querida da família e, claro, com os “contatinhos”. Hoje, podemos conhecer pessoas de várias partes do mundo e de todo o tipo pelo nosso celular. Nem preciso mencionar as conexões das redes sociais, né?! Temos ainda o WhatsApp e aplicativos de paquera e namoro. A gente stalkeia, curte, cutuca, comenta, suspira e dá match. Quem nunca?

Mas junto com tamanha facilidade, o “amor na era digital” também tem seus desafios. De acordo com especialistas em comportamento, o ambiente virtual encurta tempo e espaço, mas se as expectativas não forem bem alinhadas, as relações podem ser idealizadas e efêmeras, gerando mais frustração do que construção de namoros e casamentos duradouros.

Separamos cinco situações que podem ser uma armadilha nos seus relacionamentos. Pega essa dica de amor e garanta já o seu “date”:

1) O impulso “stalkeador”

“Stalkear” é a gíria usada para denominar os “fiscais” das redes sociais. A gíria é baseada na palavra inglesa que significa “perseguidor”. Para quem está na paquera ou já iniciou uma relação mais séria, a fiscalização do parceiro nas redes sociais pode gerar ansiedade e insegurança, explicam os psicólogos. A opinião dos usuários do Quinto sobre o assunto é acirrada: 41% dos que responderam dizem que fiscalizam seus parceiros nas redes sociais. 59% votaram que não possuem esse tipo de comportamento.

O problema pode ser ainda maior se a relação já acabou. 49% dos usuários que votaram no Quinto confessaram que continuam seguindo o(a) ex nas redes sociais. O que, de acordo com os psicólogos, pode dificultar o desapego e prolongar o sofrimento.

2) A ansiedade da comunicação imediata

Que a troca de mensagens via aplicativos facilitou demais nossa vida, nem vamos entrar nesse mérito aqui. Mas quando o assunto é paquera, relacionamento e amor, a coisa complica um pouquinho. É porque junto com a facilidade, veio também o fenômeno do “imediatismo”. A sensação é de que a velocidade da informação é praticamente proporcional à velocidade com que é consumida e disseminada. E se o(a) crush demora para responder, a casa cai. E a recíproca é verdadeira, tanto que 67% dos usuários que votaram no Quinto disseram não demorar para responder o crush no WhatsApp. O que parece transformar todas as demandas em algo urgente e a gente sabe muito bem que não é bem assim, né?!

3) A segurança das informações compartilhadas

Vamos admitir que com a era digital a gente não passa vontade, né?! Se a saudade aperta, o bate-papo no “zap” esquenta. 57% das pessoas que votaram no Quinto disseram que já enviaram nudes para alguém. Uma prática comum entre casais e que pode ser bem vinda para apimentar a relação. Mas o cuidado com a segurança das informações compartilhadas deve ser levado em conta. A divulgação de imagens eróticas sem consentimento é crime de acordo com o Código Penal brasileiro. Algumas orientações para evitar a exposição indesejada são desativar o envio automático de fotos e vídeos na nuvem, usar senha para bloquear o aparelho e evitar guardar fotos íntimas em redes sociais, mesmo marcando-as como privadas.

4) O perfil virtual X o perfil real

Na rede social, todo mundo trata de dar aquela exageradinha nos próprios atributos. A gente tende a ficar mais bonito, mais inteligente, mais intelectual, ter opinião para tudo e por aí vai. Nos aplicativos de paquera, por exemplo, vale mais uma descrição legal do que um crush na mão. O único risco neste caso é o da decepção! Quem estuda esse tipo de comportamento dá uma dica infalível: estimule as ocasiões para conhecer pessoas reais. Até porque, os aplicativos de paquera são o recurso mais utilizado para muita gente. No Quinto, 35% dos usuários que votaram disseram que já ficaram com alguém que conheceram por aplicativo. Na hora do date, não custa dar aquela especulada né?!

5) A felicidade virtual nem sempre é a real

O passeio, o jantar romântico, a viagem para a praia, o pedido de noivado, o casamento… momentos de felicidade que um casal faz questão de compartilhar nas redes sociais. Mas de acordo com os psicólogos, a necessidade de parecer feliz o tempo todo na era virtual pode distorcer a percepção da realidade. A superexposição de momentos felizes não diz necessariamente sobre uma felicidade real na vida de um casal. E isso pode atrapalhar a relação de algumas formas diferentes. Pelo menos é o que acham os usuários do Quinto. 79% dos que votaram acreditam que a superexposição nas redes sociais pode sim desgastar uma relação.

A dica, neste caso, não poderia ser outra: se você tiver que escolher entre a felicidade real e a virtual, não pense duas vezes! Beije mais, abrace mais, curta mais e ame mais! O post no perfil, você deixa para quando sobrar tempo.

Comprar ou adotar? Veja também a discussão ética que divide o mundo pet

Sexo e relacionamento, vote também no Quinto:

  • Você se considera uma pessoa sexualmente satisfeita?
  • Você deu/daria uma segunda chance em um relacionamento?
  • Tamanho é documento?
  • Você tem fetiche sexual?
  • Você já se apaixonou pelo(a) melhor amigo/amiga?

Leia mais notícias sobre o Quinto